quarta-feira, julho 31, 2019

Texto Complementar: Inquisição Espanhola: 527 anos atrás, os Judeus em Espanha fizeram escolha impossível


Hoje, comentei com duas turmas a expulsão dos judeus da Espanha e Portugal.  Não sabia que a data exata da expulsão era 31 de julho e acabou aparecendo para mim um artigo do jornal Jerusalem Post comentando a data.  Há a informação histórica sobre a ordem dada pelos Reis Católicos, Fernando e Isabel, e há informações sobre a organização Reconectar que busca ajudar os descendentes das populações judaicas portuguesa e espanhola com seu passado.  Enfim, traduzi o artigo, acredito que possa ser útil para vocês.


Inquisição Espanhola: 527 anos atrás, os Judeus em Espanha fizeram escolha impossível

Hoje, cerca de 200 milhões de pessoas podem ser descendentes das comunidades espanhola e portuguesa forçadas a se converter ao cristianismo.

Por ILANIT CHERNICK  

Exterior do que um dia foi a Sinagoga de El Transito,
em Toledo, fundada no século XIII.  Hoje é a sede do museu sefardita.
Em 31 de julho de 1492, os judeus que viviam na Espanha tinham que tomar uma decisão: converter-se ao cristianismo ou ir embora.  Se conversos (judeus convertidos) permanecessem e continuassem a manter sua fé em segredo, mas fossem descobertos por membros da Inquisição ou expostos por vizinhos, eles seriam torturados brutalmente para admitir seu "pecado" e depois seriam queimados, tudo isso era ordenada pela Igreja.

A Inquisição foi fundada em 1478 pelo rei Fernando e pela rainha Isabel, da Espanha, em uma tentativa de manter a ortodoxia católica em seus reinos e estava sob o controle direto da monarquia espanhola.

Em março de 1492, Fernando e Isabel instituíram o Decreto de Alhambra, também conhecido como o Édito de Expulsão,[1] que ordenava a expulsão de judeus praticantes do país, variando entre 45.000 e 200.000.  No entanto, quase 100 anos antes, em 1391, mais da metade dos judeus da Espanha haviam se convertido ao cristianismo como resultado da perseguição religiosa e dos pogroms.  O edito de expulsão de 1492 foi instituído principalmente para eliminar a influência de judeus praticantes sobre a grande população de conversos da Espanha e garantir que eles não voltassem ao judaísmo.

A expulsão dos judeus pôs fim à maior e mais ilustre comunidade judaica da Europa.  Segundo Ashley Perry (Perez), presidente da Reconectar, um projeto que busca “facilitar a reconexão de descendentes das comunidades judaica espanhola e portuguesa com o povo judeu”, pode haver cerca de 200 milhões de pessoas hoje com DNA judaico.  A pesquisa genética divulgada no início deste ano revelou que 25% - ou um em quatro - de hispânicos e latinos têm DNA judaico.  Perry, que também é diretor-geral do Knesset Caucus para a Reconexão com os Bnei Anousim,[2] disse ao Jerusalem Post que ele argumentaria que a expulsão dos judeus da Espanha e mais tarde de Portugal “é a data judaica mais significativa da história desde a queda do segundo templo. Foi um ponto de virada da História. ”

Ele explicou que era "uma das comunidades judaicas mais antigas e duradouras do mundo, certamente uma das mais poderosas e influentes comunidades judaicas possivelmente na história fora de Israel".  "Quando você pensa em tudo o que fazemos no judaísmo de hoje - a halachá, o sionismo - tudo veio da Península Ibérica, da Espanha", continuou Perry. “Como resultado da expulsão, muitas tendências diferentes foram postas em prática no sionismo, no hassidismo e até mesmo no Holocausto. Tantos eventos na história judaica têm suas raízes na expulsão dos judeus da Espanha ”.

Ele deixou claro que algo que precisa ser lembrado é que nem todos tinham a opção de sair ou ficar. "Aqueles que foram forçosamente convertidos, o que possivelmente é metade de toda a população judaica, não foram autorizados a sair, eles não tiveram essa escolha."  Perry descreveu o dia da expulsão como o momento em que metade da comunidade judaica estava desconectada da outra.

"Estamos apenas agora, mais de 500 anos depois, começando a ver uma tendência para reverter isso, com todas essas pessoas que estão se reconectando com o povo judeu", disse ele. “É um dia muito significativo; Ele colocou as rodas em movimento para alguns dos eventos mais importantes nos últimos 500 anos. Eu argumentaria que não estaríamos onde estamos hoje com o sionismo e o estabelecimento da soberania judaica em nossa pátria ancestral sem a influência daquele dia, e tudo o que aconteceu por causa dessa data. ”  Perry enfatizou que as principais comunidades judaicas influentes hoje nos EUA, no Reino Unido e em outros países ocidentais são todas formadas por judeus fugindo da Inquisição e exilados.

Perguntado sobre a Reconectar e seu papel, Perry, que é descendente da comunidade judaica espanhola, disse ao Post que a ideia da organização é permitir que qualquer um desses 200 milhões de descendentes das comunidades espanhola e portuguesa se conecte com os judeus de Israel de qualquer maneira que eles achem adequado.  “Há dois extremos que isso se estende: Há um extremo que não está interessado em fazer outra coisa além de querer aprender mais sobre sua ascendência [judaica], e então vai todo o caminho até o outro extremo para pessoas que quer se juntar ao povo judeu e até mesmo fazer aliá ”[3], disse ele.

Ele disse que, para os descendentes dessas comunidades, a Inquisição ainda faz parte de sua cultura e identidade.  “No Yom Kippur,[4] 150 anos após o decreto ter sido abolido”, os descendentes judeus dessas comunidades “rezam antes de Kol Nidre [5] pelo bem-estar de nossos irmãos que foram aprisionados durante a Inquisição, porque para nós não existe apenas o fato de que a Inquisição está fisicamente encerrada, mas os efeitos dela ainda estão ao nosso redor ”, disse Perry, acrescentando que muito de“ nossa tradição ainda está vinculada a esses eventos ”.

Ele também destacou que Portugal é o único país do mundo que tem um dia para lembrar a Inquisição, e enfatizou que acredita que Israel deveria instituir tal dia.[6] O decreto da Inquisição foi oficialmente abolido em 15 de julho de 1834, [5] por um decreto real assinado pela regente Maria Cristina de Borbon com a aprovação do presidente do gabinete, Francisco Martínez de la Rosa.


[1] Também é conhecido como Édito de Granada.
[2] Termo utilizado para designar os judeus da Península Ibérica (Sefarad) obrigados a se converter.
[3] Aliá ou Aliyah é o termo que designa a imigração judaica para a Terra de Israel.
[4] É a data mais importante do calendário judaico sendo conhecida como Dia do Perdão, ou Dia da Expiação.  Trata-se de um dia de jejum, introspecção e autoanálise, quando os judeus confessam seus pecados e oram por um ano bom e doce.
[5] Kol Nidrei ou Kol Nidre é uma declaração judaica recitada nas sinagogas no início do serviço noturno de Yom Kipur. Esta declaração permite aos presentes anular votos feitos e não cumpridos. 
[6] O banimento dos judeus e a distinção entre cristãos novos e velhos em Portugal foi suspensa na lei em 25/5/1773, a partir daí, com avanços e recuos a condição dos judeus em Portugal foi melhorando.  
[7] Oficialmente, o Édito de Expulsão só foi suspenso em 16 de dezembro de 1968 na Espanha, mas desde o século XIX, com o estabelecimento da liberdade de culto, a comunidade judaica pode existir oficialmente no país.