terça-feira, outubro 16, 2007

BAIXA IDADE MÉDIA II – RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO


Ø O chamado Renascimento Comercial e Urbano se insere dentro do mesmo contexto das Cruzadas, isto é, ajuda a impulsionar esse movimento e é impulsionado por elas. Com o aumento da população, as novas técnicas de cultivo, aumento da produção, incorporação de novas terras, havia maior riqueza. Essa riqueza precisava circular, daí a intensificação do comércio. Ao mesmo tempo, com o aumento da população, as aglomerações urbanas puderam crescer. Havia um ditado da época que ilustra bem a questão “A cidade tem cheiro de liberdade”.

Ø Não se pode acreditar entretanto que as cidades tenham desaparecido durante a Alta Idade Média. No Mediterrâneo, apesar do que o livro de vocês coloca, a dinâmica comercial prosseguiu, e algumas antigas cidades continuaram a seguir com seus negócios. No interior da Europa, muitas cidades romanas desapareceram ou se tornaram pequenos centros em torno de um palácio de um senhor, de um centro de peregrinação ou de um forte.

Ø O que se dá a partir do século XI é um crescimento das cidades pré-existentes e um surgimento antes nunca visto de centros urbanos. Muitos servos, que agora tinham acesso menos raro ao dinheiro, compravam a sua liberdade, outros fugiam, pois em alguns lugares se alguém conseguisse viver um ano e um dia em uma cidade seria considerado homem livre. Mesmo assim, é preciso lembrar, a maioria absoluta da população continuava no campo.

Ø As Feiras: Eram eventos regionais ou internacionais que ocorriam em entroncamentos de rotas de comércio e encruzilhadas de estradas. Poderiam ocorrer semestralmente ou anualmente. Muitos senhores e reis passaram a incentivar esses eventos dada a sua lucratividade.

Ø As Corporações de Ofício: Eram associações de profissionais de uma mesma categoria – tecelões, vidreiros, carpinteiros, ferreiros, etc – que regulavam as atividades, fiscalizavam a qualidade dos produtos, concediam o status de mestre e proibiam a concorrência entre seus associados. Os mestres, isto é, os artesãos donos das oficinas, dirigiam essas associações. No trabalho artesanal também estavam envolvidos: oficiais – que eram os ajudantes do mestre, os aprendizes – que pagavam para aprender o ofício e poderiam um dia chegar a mestres, e os jornaleiros – que ganhavam salários para fazer diversos trabalhos. As mulheres também podiam ser mestres e a maioria das corporações medievais as aceitava, seja por sua profissão ou pelo direito de viúva. As Guildas também eram organizações de artesãos que defendiam os interesses dos associados e promoviam ajuda mútua.

Ø As Liga Hanseática: Associação alemã de comerciantes, da qual faziam parte membros da Ordem dos Cavaleiros Teutônicos, que visava ampliar o comércio no Norte da Europa. Dominavam as regiões do Mar do Norte e Báltico.

Ø As Comunas: Grupos de habitantes das cidades ou associações urbanas que juravam fidelidade e negociavam ou exigiam melhoria na forma como os senhores eclesiásticos ou laicos (duques, condes, marqueses, etc) tratavam a cidade. “Comuna” é uma palavra que tem a mesma origem de “conjuração”. Muitas vezes, as comunas, os cidadãos unidos, se insurgiam violentamente contra seus senhores. As cartas comunais mais do que garantir os direitos, estabeleciam claramente os deveres das cidades.

Ø Os Burgueses e a Centralização do poder: Burguês na Idade Média significava habitante do burgo, isto é, uma cidade fortificada. Os burgueses geralmente estavam associados ao comércio e ao artesanato. Com as cruzadas e o endividamento de muitos senhores, alguns deles começaram a ver na taxação das atividades comerciais uma fonte segura para aumentar as suas rendas. O grande número de moedas e tarifas que variavam de feudo para feudo também prejudicavam o comércio. Assim, muitos burgueses vão se aliar aos reis que buscavam a centralização política. ***Não entendam que burgueses e reis vão se aliar contra a nobreza, pois os reis também são nobres e dependiam da existência desta classe para manterem o seu poder.*** Alguns reis vão ter burgueses como ministros e vão implementar tentativas de formação de exércitos nacionais, unificação jurídica (retomada do Direito Romano), tarifária e monetária. Isso irá ferir principalmente o interesse dos grandes nobres que tinham direitos especiais (vide resumo de Feudalismo). Assim, alguns monarcas irão colocar as cidades sob sua proteção direta, dando-lhes cartas comunais, garantindo com o seu prestígio a liberdade que os burgueses tanto queriam para fazer os seus negócios. Em troca os burgueses irão contribuir com o seu dinheiro para o fortalecimento dos reis. Reis, burgueses e parte da nobreza, principalmente a pequena nobreza, irão se associar contra o regionalismo feudal e o universalismo da Igreja – que achava que poderia interferir dentro dos reinos e se colocar acima do poder dos soberanos – dando início a formação dos Estados Nacionais e à transição para o Capitalismo.

2 comentários:

Professor Érico A. Cronemberger disse...

Professora, sou também professor de História de Teresina Piauí. Também tenho um site que fiz para meus alunos (www-ericohistoria.blogspot.com). Queria trocar informações com você. Gostei do seu site e queria receber umas dicas suas. Por exemplo, como fazer para saber quantas pessoas estão on-line e quantos já visitaram. O meu e-mail é ericocronemberger@hotmail.com Espero que não tenha se incomodado. Obrigado pela sua atenção.

Profª. Joice Belini disse...

OLÁ. TB SOU PROF DE HISTÓRIA AQUI EM ARAÇATUBA-INTERIOR DE SP. PASSA LÁ NO MEU BLOG: http://profjoicebelini.blogspot.com